Posts

A ansiedade é um conjunto de características fisiológicas e mentais do ser humano para preparar o organismo para reagir a estímulos desconhecidos. Estes processos permitem a adaptações as alterações do ambiente e são benéficos. Porem se estes mecanismos excedem os limites aceitáveis passarão a ser prejudiciais ao organismo gerando transtornos ansiosos além dos níveis fisiológicos normais. Esta é a chamada ansiedade patológica que pode gerar uma série de distúrbios: síndrome do pânico, fobias, transtorno obsessivo-compulsivo ou TOC, hipocondria, hipertensão arterial, palpitações, dificuldade de memória e concentração, insônia, doenças psicossomáticas, decréscimo nas habilidades sociais, alterações digestivas, angústia, fadiga e até depressão.

A ansiedade patológica com seus vários sintomas associados é um sério problema na sociedade moderna e estima-se que acometa 1/8 da população, ou seja, 750 milhões de pessoas em todo planeta.

Os especialistas apontam uma série de causas nos distúrbios de ansiedade, destacam-se: fatores hereditários, desequilíbrio químico-cerebral, personalidade, experiências de vida e o estilo de vida contemporâneo com muitas atividades, excesso de estímulos eletro-magnéticos ( computador, celular, televisão), poucas horas de sono com muito trabalho e dieta inadequada com abuso de alimentos ricos em cafeína ( café, chá preto, mate, refrigerantes, chá verde, chocolate e bebidas energéticas). O tratamento dos distúrbios da ansiedade na medicina ocidental é feito com ansiolíticos ( benzodiazepínicos) e antidepressivos.

Estes medicamentos atuam no sistema nervoso central, apresentam importantes efeitos adversos e alguns destes remédios podem causar dependência ao  O Ayurveda, filosofia médica da milenar tradição indiana, afirma que a ansiedade está relacionada, principalmente, ao Dosha Vata, composto pelos elementos éter (espaço) e ar. Estes elementos também relacionam-se com a nossa mente devido a isto Vata tem uma enorme conexão com os processos mentais.

A Medicina Ayurvedica ensina que para equilibramos nossa mente devemos harmonizar o Dosha Vata e neste sentido indica várias ferramentas terapêuticas naturais: fitoterapia, dieta individualizada, sudação (swedana), oleação através de massagem com óleos medicinais (abhyanga), eliminação de toxinas, prática orientada de Yoga e meditação regularmente e uma rotina de hábitos saudáveis compatível com a nossa constituição e condição vigente.

Na nossa experiência clínica o uso terapêutico das plantas medicinais é uma forma natural de equilibrar o Dosha Vata e tratar os associados distúrbios de ansiedade. Na fitoterapia ayurvedica destaca-se o Brahmi ( este nome vem de Brahma, o criador do universo) ou Bacopa moniera utilizada na Índia há centenas de anos para tratar as alterações mentais e emocionais.

Apresenta as seguintes propriedades terapêuticas: sedativa, promove o intelecto e a mente, antidepressiva, imunomoduladora (beneficia o sistema imune), equilibra os Doshas, rejuvenescedor do sistema nervoso (rasayana), antioxidante, anti-inflamatória e antiespasmódica. No oriente esta erva medicinal tem sido utilizada nas seguintes alterações: ansiedade, depressão, hiperatividade e déficit de atenção (TDAH), distúrbio de concentração e memória, demência senil, doenças psicossomáticas, neurastenia (fadiga mental), insônia e tensão emocional. Nós enfatizamos que associado ao tratamento com fitoterapia o paciente deve, necessariamente, seguir uma dieta natural, equilibrada e saudável que promove Prof. Dr. Aderson Moreira da Rocha, clínico geral, reumatologista, especialista em acupuntura pela Associação Médica Brasileira e especialista em Ayurveda pelo Arya Vaidya Pharmacy.

A palavra  “hormônio” vem do grego e literalmente quer dizer “colocar em movimento”. Eles são secretados em uma região do corpo e viajam para atuar em outras áreas da nossa fisiologia. São divididos em 2 grupos: aqueles que são formados por aminoácidos ou peptídeos (como adrenalina, dopamina e serotonina), estes demonstram o relacionamento entre o sistema endócrino e os neurotransmissores e aqueles outros constituídos por esteroides ( como estrogênio, cortisol, progesterona e testosterona), são sintetizados a partir do colesterol ( sem colesterol não produzimos hormônios esteroides). Os hormônios exercem seus efeitos interagindo com receptores na superfície celular ou dentro da célula. Os distúrbios endócrinos resultam do excesso ou deficiência de efeitos hormonais.

Na visão oriental podemos classificar os hormônios em 2 tipos principais: os hormônios Yang ( quentes ou masculinos), aqueles do estresse (adrenalina e cortisol) e os hormônios Yin ( frios ou femininos), os chamados hormônios sexuais (estrogênio e progesterona) que são a raiz da saúde na mulher.  O equilíbrio hormonal é o fundamento essencial da nossa harmonia física, mental, emocional e social. Muitas mazelas modernas estão associadas á falta deste equilíbrio como: estresse emocional, alterações menstruais, distúrbios da menopausa, hipotireoidismo, insônia, fadiga e até depressão.

A sociedade no século XXI tornou-se muito Yang ( masculina ou quente), ou seja: rápida, acelerada, imediatista, agressiva e impaciente, todas qualidades masculinas. A energia Yin ( fria e feminina) aquela que promove mais calma, tranquilidade, paciência, tolerância e gentileza tornou-se algo raro e escasso. Estima-se que nos últimos 50 anos o estresse aumentou em 50% ou mais nas grandes cidades. Colocando de outra forma: o planeta tornou-se mais Yang ( energia masculina ) e menos Yin ( energia feminina), esta constatação aponta para um grande desarmonia na nossa energia vital, chamada prana pelos indianos. Observamos que as mulheres, por serem mais sensíveis, sofrem mais com este desequilíbrio do que os homens.  É comum escutarmos nossas avós afirmando que não tiveram problemas de TPM ou na menopausa pois o mundo delas, no século XX, era bem diferente do nosso.

O Ayurveda apresenta uma proposta para o nosso reequilíbrio hormonal através das suas diversas ferramentas terapêuticas naturais: dieta individualizada, plantas medicinais, atividade física adequada a nossa desarmonia, rotina diária de hábitos saudáveis, desintoxicação ( eliminação de toxinas acumuladas), massoterapia com óleos vegetais e prática de Yoga e meditação com orientação de profissional experiente. O fundamento desta filosofia médica indiana é o autoconhecimento que é o caminho para a sabedoria que promove integração e harmonia física, psicoemocional e espiritual.

 

O Ayurveda como caminho para o bem-estar

A ansiedade é um estado emocional desagradável de aflição, com sentimento de medo ou angústia apesar da inexistência de uma ameaça óbvia. Caracteriza-se pela apreensão e pela preocupação. Alguma ansiedade é normal; transforma-se um problema quando interfere com nossas atividades habituais. De acordo com Ayurveda, a ansiedade é um sinal clássico do desequilíbrio no corpo. A ansiedade, o estresse e a tensão prolongados afetam o sistema nervoso e podem causar muitas outras complicações.

Alguns sintomas de ansiedade são: incapacidade de relaxar, instabilidade emocional, irritabilidade sem razão aparente, dor de cabeça frequente (geralmente relacionada à tensão), insônia, palpitações (taquicardia), etc..

No modo de pensar ayurvédico, não tratamos a ansiedade propriamente dita, mas o desequilíbrio original. Assim, segundo o Ayurveda a ansiedade é conseqüente ao desequilíbrio de Vata. A ansiedade é apenas um dos sinais de desarmonia, podendo vir acompanhada de vários outros, confirmando o diagnóstico: insônia, agitação, fadiga, falta de apetite e impaciência seriam sinais comportamentais de que o indivíduo está apresentando um desequilíbrio de Vata. É importante desenvolver a idéia de que o Ayurveda trata a pessoa, não a doença.

O objetivo de qualquer tipo de terapêutica ayurvédica para combater a ansiedade é pacificar o dosha Vata, que por natureza tem qualidades de secura e frio. Assim, resumidamente, submete-se o paciente a uma rotina diária/tratamento gerador de calor e umidade para contrabalançar o agravamento de Vata. Esta rotina/tratamento envolve basicamente a alimentação (que atuará através dos sabores indicados para acalmar Vata – doce, ácido e salgado) e a  fitoterapia (utilizando-se plantas amornantes (potência quente) e tirando partido das propriedades calmantes também). A massoterapia entra também neste arsenal terapêutico para promover o relaxamento geral do organismo, tranqüilizar a mente, promover o sono, entre outros. O Yoga e a meditação são outras duas importantes vertentes na busca pelo equilíbrio e são práticas extremamente benéficas para pessoas de natureza Vata. As pessoas com alto grau de ansiedade, porém, não conseguem fazer meditação. É preciso inicialmente que sejam submetidas a um tratamento prévio para diminuir o nível de ansiedade antes de iniciarem tal prática.

Através da análise dos humores biológicos (Vata, Pitta, Kapha) é possível dizer que tipo de pessoa é mais suscetível a desenvolver quadros de ansiedade; as pessoas do tipo Vata têm mais facilidade para ficarem ansiosas. Isso é devido à sua constituição em termos de 5 elementos: Vata é formado por ar + éter. O dosha com maior probabilidade de desequilibrar é o que domina o organismo. Isto quer dizer que pessoas do tipo Vata predominante (Vata-Pitta ou Vata- Kapha, por exemplo) devem tentar ao máximo manter distância de situações ou experiências que agravem este dosha. Ex: situações de extremo estresse, exaustão física, excesso de atividade mental, alcoolismo, fumo, drogas, mudanças repentinas (clima, moradia, hábitos), alimentação muito seca, crua e fria, falta de disciplina (horários) na vida diária etc. Sabemos que os 3 doshas (Vata, Pitta e Kapha) coexistem dentro de nós; mesmo que a pessoa não apresente o Vata predominante em sua constituição, desses três, o Vata é o mais sensível e com mais possibilidade de desequilibrar.

O que estas pessoas podem fazer para perceber que estão entrando em um quadro de ansiedade e como evitar? Primeiramente devem evitar situações como as descritas acima. Paralelamente podem adotar hábitos alimentares, em primeiro lugar, que acalmem o dosha Vata – alimentos mornos, oleosos, cozidos e com os sabores doce, ácido e salgado preferencialmente. Estes sabores podem ser considerados “ansiolíticos”. Alimentos frios, secos, crus e com sabores picante, amargo e adstringente ajudam a desequilibrar, contribuindo para agravar estados ansiosos

Quando é a hora de procurar auxílio médico?  Mais importante que apenas aliviar temporariamente os sintomas é tratar a raiz do problema. Desse modo, o momento ideal para buscar o auxílio do Ayurveda é quando se está bem. O melhor remédio é a prevenção!

O nível de ansiedade pode aumentar quando a pessoa é adepta de uma dieta rica em alimentos refinados (particularmente açúcar). O estresse mental ou emocional. A ansiedade pode ser corrigida sem recorrer às drogas ou às dietas artificiais. O Ayurveda oferece um plano simples, coerente e natural às pessoas que buscam um caminho para controlar a ansiedade. Trata-se de um sistema completo de cuidado preventivo da saúde com benefícios comprovados ao longo de milhares dos anos na India.

 

Na anamnese feita ao início da psicoterapia, detectamos no  discurso do cliente, e pelos sintomas, cada vez mais a presença da  ansiedade. Antes de buscar ajuda psicoterápica, muitos buscaram tratamento exclusivamente medicamentoso, para dar uma ‘acalmada’. Quando se dão conta de que a medicação não soluciona todos os seus problemas, procuram então  psicoterapia. Ao chegar ao consultório psicológico,  vários anos podem ter se passado desde o início do problema, após terem tentado vários remédios, depois de muito sofrimento. Dependendo do grau de autoconhecimento, a pessoa já percebe que a ansiedade origina sua insônia, tem relação com transtornos alimentares (tanto compulsões alimentares como anorexia ou bulimia), crises conjugais (incluindo também as disfunções sexuais) ou insatisfação profissional, dentre outras tantas queixas.

Enfim, a ansiedade é pervasiva e pode atrapalhar toda e qualquer relação – seja  profissional, familiar ou amorosa. E em que momento do nosso dia ela aparece? Às vezes, ao sair da cama, já se sai ansioso, estressado com a possibilidade de enfrentar o trânsito, chegar atrasado, pensando nas inúmeras tarefas que terá de enfrentar ao longo do dia.  Fazem suas refeições “pilhadas” (quando fazem!). Rumam – ansiosas – pra escola ou para o trabalho. Ao enfrentarem engarrafamentos (o que é cada vez mais comum, nos centros urbanos), chegam onde têm de estar em um nível de ansiedade alto. Não é de se estranhar que, em casa, a ansiedade também as acompanhe na hora de dormir – é o mesmo trânsito, no sentido inverso e provavelmente deixou pendências pro dia seguinte. Não é de se estranhar que haja tantos casos de insônia – e tantos fármacos vendidos para combatê-la. Mas não é só! Como já dito inicialmente, a ansiedade também pode atrapalhar a vida conjugal:  quando atrapalha a comunicação ou quando resvala para a sexualidade do casal,  graças à ansiedade de desempenho. Sim, ela existe! É quando o homem ou mulher acham que tem de estar sempre prontos para o ato sexual, cumprindo o ‘checklist’ de pessoa ‘saudável’.

Já  que erradicar totalmente a ansiedade é praticamente impossível, deve-se procurar aprender a manejá-la. Já se descobriu que uma pequena dose de ansiedade pode ser mesmo desejável, para tirar a pessoa da inércia, colocando-a em movimento. ”Manejar” para não se deixar dominar ou paralisar por ela.

Pesquisadores acadêmicos têm percebido e divulgado que a meditação é um importante recurso natural no combate à ansiedade. Antes restrita a  alguns grupos ‘religiosos’, atraiu a atenção dos cientistas. Com tantas pesquisas comprovando seus benefícios, céticos descobriram que a meditação não é apenas para quem é místico. Ateus ou agnósticos também podem praticá-lá e se beneficiar – inclusive aqueles executivos estressados. Os que conseguem, abrir um espaço na agenda (e na mente), ganham muito com a prática e a recomendam. Então, “medita che te fa bene” .

Cada vez mais, os psicoterapeutas (principalmente da abordagem cognitivo-comportamental) ensinam o mindfulness à sua clientela. Oriundo das técnicas de meditação budistas para reduzir a ansiedade, e sem cunho religioso, tem por objetivo focar no aqui e agora, Observando e aceitando o fluxo dos pensamentos, com a mente no momento presente, suspende-se o juízo de valor. Parece simples, mas alguns pacientes ainda resistem. Aqueles mais flexíveis percebem que a ansiedade reduz bastante – dependendo da prática.

E por que reduz? Porque basicamente a ansiedade nos projeta para o futuro, tentando antecipá-lo, adivinhá-lo. Ou apenas prevê-lo, o que às vezes é impossível. Muitas vezes se vê o futuro como ameaçador. A meditação traz a pessoa para o aqui e agora. É uma mudança no padrão.

Elege-se um foco – que pode ser um objeto, uma palavra, um som ou ainda a respiração, dentre outros. A concentração sobre o objeto foco e a simples observação dos pensamentos, que invadem a mente, mas não são alimentados, ajudam a pessoa a se distanciar dos problemas do dia-a-dia. Não estimulando o fluxo do pensamento nem a imaginação, consegue-se um grande relaxamento e também se melhora a concentração – permitindo que a vida possa ser analisada sob outra perspectiva.

Como principal benefício, desta mudança de foco, espontaneamente surgem soluções para problemas, mesmo que não tenha sido este o objetivo ao parar para meditar. Vale a pena o esforço para estabelecer a prática, já que os benefícios são permanentes e preventivos. View Profile: jwilliams – Casinomeisters Online Casino and Poker Forum- Free Slots