Nós encontramos no Charaka Samhita (principal texto de clinica médica ayurvedica) a definição de Ayurveda na sua seção inicial ou Sutra Sthana: “Aquilo que é chamado de ciência da vida estabelece o bom e mau da vida, uma vida feliz e infeliz, o que é saudável e não saudável e também as dimensões da vida humana”. Nesta mesma seção no capítulo VIII encontramos a seguinte afirmação sobre as práticas relacionadas as relações sociais: “As pessoas devem seguir o caminho do brahmacharya (autocontrole na sexualidade), conhecimento (sabedoria), caridade, amizade, compaixão, felicidade, desapego e paz”. Escrito há muitas centenas de anos o texto parece bem moderno e seu estudo e compreensão  tornam-se necessários ao bem estar e a saúde do ser humano do século XXI.

Na filosofia do Ayurveda afirma-se que o ser humano tem 4 objetivos na vida ou purushastra: virtude ou ordem moral (dharma), bem estar material ou riqueza (artha), prazer e desejo ( kama) e libertação ou emancipação (moksha). O Charaka Samhita, no seu Sutra Sthana, afirma: “A boa saúde esta na raiz da virtude (dharma), aquisição de riqueza (artha), gratificação dos desejos (kama) e emancipação ou libertação (moksha). Enquanto que as doenças são as destruidoras da saúde, do bem estar e da vida. Isto tem se manifestado como o grande obstáculo no caminho da vida humana. Qual poderia ser o medicamento? Os sábios, com este pensamento, entraram em meditação. Então tiveram a visão de Indra (rei dos deuses), como o salvador, que iria explicar o caminho adequado para dissolver o adoecimento”.

Porem, na seção de Chikitsa Sthana (sobre a terapêutica ayurvédica), encontramos uma história da origem mitológica do Ayurveda: “Os sábios, tanto os ermitões que viviam nas florestas quanto os monges errantes, tiveram sua saúde deteriorada devido ao uso de remédios e alimentação dos habitantes das cidades. Devido a isto eles se tornaram preguiçosos, incapazes de manter suas praticas de meditação  e ficaram interessados no acumulo de riquezas. Com o tempo os sábios realizaram seus próprios erros, em residir entre as pessoas ignorantes das cidades, e resolveram retornar as suas antigas moradas nas auspiciosas montanhas do Himalaia…lá chegando encontraram o deus Indra (rei dos deuses) que afirmou: “Sejam bem vindos conhecedores de Brahma (criador) e dos Vedas…Eu vejo que vocês perderam sua força, energia e sofrem da deterioração da voz e compleição. Estes são os resultados de viver nas cidades com suas consequências não auspiciosas… agora é o momento de olhar para sua saúde e receber o Ayurveda (ciência da vida) para seu próprio bem estar e também das pessoas…Eu irei doar a vocês o conhecimento do Ayurveda que é sagrado, promotor da longevidade, que alivia as doenças e a senilidade, promove a vitalidade, é semelhante a ambrosia, auspicioso, protetor e universal…”.

No Charaka Samhita, seção Sarira Sthana, encontramos a filosofia indiana da libertação, emancipação ou moksha. Nos versos 142 a 146 descreve-se moksha da seguinte forma: “ Moksha (libertação) é possível pela ausência de paixões (rajas) e ignorância (tamas), aniquilação dos efeitos das ações passadas (karma) e também pela ausência de renascimento.”  São descritos os seguintes meios para alcançar a realização de moksha ou libertação:

  1. Manter a companhia de pessoas santas (nobres almas)
  2. Evitar a companhia de pessoas malvadas (seres humanos ignóbeis)
  3. Observar votos sagrados e jejum
  4. Buscar as regras de boa conduta
  5. Estudo das escrituras religiosas
  6. Apreço por locais solitários
  7. Desapego a prazeres mundanos (desprendimento dos sentidos)
  8. Esforço na busca pela libertação (moksha)
  9. Busca pelo controle da mente
  10. Evitar iniciar ações que levam a resultados indesejáveis
  11. Promover a aniquilação de efeitos de ações passadas
  12. Desejo de fugir das armadilhas mundanas
  13. Ausência de tendências egocêntricas
  14. Concentração na alma (consciência ou atma)
  15. Investigação da verdadeira natureza das coisas (separar o real do irreal)

Dentre as várias correntes da filosofia indiana escolhemos, como caminho para alcançar a libertação ou iluminação espiritual (moksha), a prática da meditação. Algumas pessoas afirmam que não conseguem meditar pois são muito ansiosas ou que sua mente é extremamente inquieta. Mesmo estas pessoas, com alguma persistência e paciência, conseguem alcançar um estado meditativo. Colocaremos aqui algumas dicas, que utilizamos, para a prática da meditação: Tenha um professor experiente, é verdade que você pode iniciar a pratica através de livros, CDs e vídeos mas em um determinado momento você terá a necessidade de alguém mais experiente para te ajudar. Um instrutor atencioso e bem intencionado é muito bem vindo.  Inicie com uma técnica simples e por pouco tempo no começo (5 a 10 minutos, 2 vezes ao dia).  As pessoas que dão continuidade a pratica são aquelas que têm amigos meditadores e frequentam centros dedicados a meditação. Uma vez por semana pratique meditação em grupo, com meditadores experientes, isto ajuda a aprofundar a pratica. Uma das coisas mais interessantes é fazer retiros de meditação com meditadores mais antigos, você terá a oportunidade de se dedicar a pratica mais intensa.

 

Procure evitar pensar que você terá experiências maravilhosas com pouco tempo de meditação. A autodisciplina e a persistência de sentar todo dia já é o resultado, ou seja, uma grande conquista para sua saúde física e mental e seu caminho de autoconhecimento. Observamos como é  comum as pessoas sentirem dificuldades em acalmar a mente e sentar em silencio. O Hatha Yoga é a melhor metodologia para preparar o corpo, o sistema nervoso e a mente para a prática. Além do Hatha Yoga praticamos o Tai Chi Chuan que é uma verdadeira meditação em movimento, excelente para tranquilizar o sistema nervoso e preparar a mente para a introspecção sentada e silenciosa. Além disto, a prática regular de natação também ajuda a diminuir o estresse, a ansiedade e melhorar a qualidade do sono, o que, no final das contas, auxilia a pacificar a mente para a introspecção. Saiba que meditar deve ser prazeroso, a prática da meditação regular traz paz, bem estar, equilíbrio e saúde. Se a meditação é um sacrifício para você, algo está errado, busque orientação de um professor experiente.  Recomendamos a leitura de dois livros sobre o assunto: “Meditação para Leigos” de Stephan Bodian e “Atenção Plena” de Mark Williams e Danny Penman. Terminamos com a afirmação do mestre Yogananda, autor da inspiradora “Autobiografia de um Iogue”: “O profundo samadhi (êxtase) na meditação é possível somente quando todas as funções corporais são aquietadas. Uma dieta adequada e o jejum são uteis, condicionando o corpo para este estado de tranquilidade e interiorização”.  Boas meditações!

 

Prof. Dr. Aderson Moreira da Rocha, médico de família, reumatologista, especialista em Acupuntura pela Associação Médica Brasileira e especialista em Ayurveda pela Associação Brasileira de Ayurveda. Tel: (21) 25373251. Visite: www.ayurveda.com.br

Aderson Moreira da Rocha

Médico de família, reumatologista, acupunturista e especialista em Ayurveda pelo Arya Vaidya Phramacy, tradicional escola de Ayurveda do sul da Índia. Mestre e doutor em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da UERJ, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda e autor do livro “ A Tradição do Ayurveda” pela editora Águia Dourada.

Últimos posts por Aderson Moreira da Rocha (exibir todos)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *